domingo, 20 de Setembro de 2009

Definição de estudo de caso

Na conferência de Cambridge (Adelman et al., 1976) o termo estudo de caso foi definido como “uma família de métodos de pesquisa cuja decisão comum é o enfoque numa instância”.
Para Merriam (Bogdan e Biklen et al., 1994), o estudo de caso consiste na “observação detalhada de um contexto ou indivíduo, de uma única fonte de documentos ou de um acontecimento específico”.
Já para Nisbett e Watt (1978) sugerem que o estudo de caso seja entendido como “uma investigação sistemática de uma instância específica”.
O estudo de caso nos leva a visualizar uma imagem que poderia a ser descrita como a de uma convergência de informações, de vivências e de troca de experiências. Partindo da percepção de cada participante desta atividade, nos levaria à compreensão mais clara da natureza e da dinâmica de um fenômeno que seria foco de nossa observação.
A grande vantagem do estudo de caso é permitir ao pesquisador concentrar-se em um aspecto ou situação específica e identificar os diversos processos que interagem no contexto estudado.

O ponto forte do estudo de caso é sua capacidade de explorar processos sociais à medida que esses ocorrem nas organizações, permitindo uma análise processual, contextual e longitudinal das várias ações e significados que ocorrem e são construídos nas organizações.
O conhecimento que advêm do estudo de caso tem um valor único, próprio e singular, que começa pela recolha de dados que vão tomando decisões acerca do objetivo do trabalho. Esta recolha consiste em entrevistas, fotografias, gravações, documentos, anotações de campo e negociações com os participantes do estudo. Os depoimentos de um estudo de caso são utilizados como veículos para a compreensão de aspectos básicos do comportamento humano.

Caracterizando um estudo de caso:
• Procuram à descoberta e compreensão do estudo de caso;
• Interpretação do contexto em que se insere o estudo de caso;
• Levantamento de várias hipóteses e pontos de vista diferentes;
• Utilização das várias estratégias para o tratamento e uso da informação;
• Descrever a situação em que o pesquisador se encontra (método naturalista);
• Retratando a realidade para que o leitor tenha a visão do todo sem esquecer o detalhe e
• O estudo de caso deve ser bem explícito na diferenciação de interpretações e observações, evidências primárias e secundárias, afirmações gerais e depoimentos, resumos e citações.

O método usado pelo pesquisador é outra estratégia que deve ser mencionada no estudo de caso. Começando pela recolha de dados, o pesquisador vai tomando decisões acerca do objetivo do trabalho. Depois de organizado e distribuído o tempo, escolhe as pessoas que vai entrevistar e o que aprofundar. Há medida que o tempo vai passado, mais informações o pesquisador vai ter e poderá selecionar melhor os aspectos específicos, indivíduos e atividades de pesquisa.
Um ponto comum entre vários autores (GOODE, 1969, YIN, 1989, BONOMA, 1985) é a recomendação de grande cuidado ao se planejar a execução do estudo de caso para se fazer frente às críticas tradicionais que são feitas ao método.
O método de estudo de caso deve ser visto como uma estratégia de pesquisa e considerar aspectos relevantes para o desenho e a condução de um trabalho de pesquisa, analisando as suas vantagens.


Bibliografia

ADELMAN. C. et al. Re-thinking case study: notas from the second Cambridge Conference. Cambridge Journal of Education, 6, 3, 1976.
BOGDAN, Robert e BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal. Porto Editora, 1994.
NISBETT, J. e Watt, J. Case Study. Redguide 26: Guides in Education Research. University of Nottingham Scholl of Education, 1978.

Sem comentários:

Enviar um comentário